quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Reciclar

foto: Shel Silverstein, Every Thing on It

Deixei os restos do nosso amor
num saco de plástico
no armário debaixo do lava-loiça,
não cabiam no caixote do lixo.
E quando levares o lixo,
presta atenção,
não é para caixote azul, verde ou amarelo,
é para o cinzento, lixo doméstico comum,
indiferenciado, o nosso amor acabado,
e o carro passa às segundas, quartas e sextas.

 #raquelserejomartins

4 comentários:

LuísM Castanheira disse...

pequenas pérolas perdidas...
com prazo de validade no lixo esquecidas.
mto.bom este poema despido e despedido.

B. Azevedo Rua disse...

A Raquel Serejo Martins é um luxo.

deep disse...

A Raquel é um luxo a escrever e um luxo de pessoa.:)

Bom 2017.

B. Azevedo Rua disse...

Tudo verdade, deep. :)
Bom 2017